Q

Previsão do tempo

11° C
  • Sunday 11° C
  • Monday 15° C
  • Tuesday 14° C
11° C
  • Sunday 11° C
  • Monday 15° C
  • Tuesday 14° C
13° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 15° C
  • Tuesday 15° C

“A Vergonha pode matar a loiça das Caldas”

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Alunos combatem ameaça ao fim da tradição Francisco Agostinho e a esposa são o casal do Chão da Parada que ainda se dedica à produção de loiça típica e erótica das Caldas, como são os falos, bonecos e canecas. Os alunos do segundo ano do Curso Profissional Técnico de Turismo (11º G) da Escola Rafael […]
A Vergonha pode matar a loiça das Caldas

Alunos combatem ameaça ao fim da tradição Francisco Agostinho e a esposa são o casal do Chão da Parada que ainda se dedica à produção de loiça típica e erótica das Caldas, como são os falos, bonecos e canecas. Os alunos do segundo ano do Curso Profissional Técnico de Turismo (11º G) da Escola Rafael Bordalo Pinheiro visitaram a pequena fábrica, no âmbito de um trabalho de grupo desenvolvido por cinco colegas da disciplina de Técnicas de Acolhimento e Atendimento Turísticos. A professora Maria Ximenes referiu que dentro do módulo quatro, que tem a ver com relações públicas, “um grupo de alunos achou que a loiça erótica das Caldas deveria ser um ícone a recuperar”. “Eles intitularam este trabalho como “A Vergonha pode matar a loiça das Caldas” e dentro da produção do seu trabalho decidiram visitar uma fábrica onde se produz essa loiça”, explicou. “Viram todo o processo de fabrico de peças de cerâmica e toda a loiça erótica, numa altura em que o tema é muito pertinente”, concluiu Maria Ximenes. Os alunos, Francisco Sábio, de 17 anos, Rita Bernardes, de 18, João Reis, de 16, Flávia Jesus, de 17, e Nuno Coto, de 16, esperam que com este trabalho que os caldenses se voltem mais para as suas raízes e tradições. “Os caldenses deveriam explorar este artesanato regional, que está sub-aproveitado. É um símbolo da cidade que não é tão utilizado como deveria ser e não devíamos ter vergonha desta tradição que existe”, comentaram. Para Francisco Agostinho, conhecido como “Chico das Pichas”, porque produz a loiça erótica das Caldas no seu ateliê no Chão da Parada há 34 anos esta, é mais uma visita entre muitas que tem ao longo do tempo, mas que não vê ninguém seguir as pisadas. Francisco Agostinho actualmen-te já faz “poucas pichas”, agarrando-se mais às canecas das Caldas e por encomendas aos bonecos. “Eu tenho orgulho do que faço, embora nunca tenha ganho muito dinheiro”, comentou, reconhecendo que não pára de laborar e o que produz não chega para as encomendas. “Nunca pára aqui nada em armazém. Vou fazendo e vendo logo tudo”, afirmou, sentindo-se orgulhoso por ter clientela, principalmente de fora das Caldas. Francisco Agostinho desde 1975 que se dedica à produção da loiça erótica das Caldas, após ter trabalhado nas Faianças Rafael Bordalo Pinheiro. A pequena unidade no Chão da Parada chegou a empregar algumas funcionárias e chegou a produzir milhares de bonecos com o também tradicional cordão, que quando esticado revela um falo, mas agora, aos 69 anos, o “Chico das Pichas” mostra-se preocupado com o futuro desta actividade porque os filhos não quiseram seguir a sua profissão e há pouca gente a interessar-se por esta tradição erótica das Caldas. Ainda assim este é por certo um dos ceramistas mais conhecido no país, já que foi a diversos canais de televisão, deu entrevistas para quase todos os jornais e tem vídeos na internet.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Tenistas caldenses vitoriosos no circuito MiniSpin

Decorreu no dia 21 de novembro o Masters do circuito MiniSpin, organizado pela Associação de Ténis de Leiria. O Clube de Ténis das Caldas da Rainha / Felner Tennis Academy esteve representado com seis atletas, acompanhados pelos treinadores Rafael Cunha e Pedro Rodrigues.

tenis 1

Concluída reparação no castelo de Óbidos

Ficou concluída a obra de reparação da muralha do castelo de Óbidos, danificada em abril quando uma grua de grandes dimensões, utilizada na reabilitação de um edifício dentro da vila, embateu no monumento nacional.

castelo

Grupo de trabalho vai criar novos espaços de brincadeira

Carlos Neto, professor catedrático na Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, vai liderar um grupo de trabalho para analisar os parques infantis e recreios no concelho de Óbidos e preparar novos espaços.

recreios