Q

Previsão do tempo

16° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 22° C
16° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 22° C
17° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 21° C
  • Friday 24° C

“O Alentejano que descobriu a América” apresentado nas Caldas

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O livro do jornalista Pedro Laranjeira, “O alentejano que descobriu a América”, editado pela Free Zone, foi apresentado no passado sábado na livraria Martins Fontes, nas Caldas da Rainha. A apresentação do livro e do autor esteve a cargo do tenente-coronel Brandão Ferreira, investigador e cronista. Trata-se de uma compilação de factos relevantes sobre as […]
O Alentejano que descobriu a América apresentado nas Caldas

O livro do jornalista Pedro Laranjeira, “O alentejano que descobriu a América”, editado pela Free Zone, foi apresentado no passado sábado na livraria Martins Fontes, nas Caldas da Rainha. A apresentação do livro e do autor esteve a cargo do tenente-coronel Brandão Ferreira, investigador e cronista. Trata-se de uma compilação de factos relevantes sobre as mais recentes descobertas vindas a lume acerca da personalidade e origens de Cristóvão Colombo, descobridor da América em 1492. O trabalho formatado em estilo jornalístico e profusamente ilustrado, inclui relatos e entrevistas com as mais relevantes personalidades ligadas a este assunto em todo o mundo. Pedro Laranjeira, jornalista e director da revista Perspectiva, tem publicado vários artigos sobre o tema e foi recentemente moderador de uma conferência internacional, na vila alentejana de Cuba, sobre a portugalidade de Cristóvão Colombo. A obra dedica grande atenção às investigações que indiciam a nacionalidade portuguesa do navegador e inclui as teses dos principais estudiosos do assunto, como Mascarenhas Barreto, Manuel Rosa, Roiz do Quental, José Rodrigues dos Santos e Manuel Luciano da Silva, que inspirou Manoel de Oliveira para a realização do seu último filme, “Cristóvão Colombo, o Enigma”. “É hoje evidente que o tecelão genovês Cristoforo Colombo nunca poderia ter sido o mais famoso navegador de todos os tempos. Estamos perante duas personalidades diferentes, ambas, aliás, documentadas, mas tudo indicando que o Almirante foi um nobre português, primogénito de D. Fernando Duque de Beja e de Isabel Gonçalves Zarco, filha do descobridor da Madeira e Porto Santo, João Gonçalves Zarco”, explica Pedro Laranjeira. “É uma intrincada trama histórica, protagonizada por D. João II, explica os mistérios que envolveram a identidade do homem que se terá chamado Salvador Fernandes Zarco, então conhecido como Cristóvão Colon, cuja nacionalidade só chega a discussão pública 70 anos após a sua morte, quando uma família italiana de apelido Colombo apresenta a Tribunal um “Testamento” (agora identificado como uma tosca falsificação) no intuito de obter a herança do Almirante – processo, de resto, julgado contra os peticionários por esse Tribunal, que entregou a herança a D. Nuno de Portugal, neto do filho português do navegador”, adianta. “Essa e muitas outras evidências são relatadas na obra, que inclui os mais recentes resultados de análises de ADN, comprovativas de que o descobridor da América, então chamado “Infante de Portugal”, não era italiano, nem francês nem espanhol”, sublinha. A obra agora dada à estampa vai sair em traduções para inglês, alemão, holandês e francês, sob o título genérico “O Português que descobriu a América”. Em 2009 será editada também em italiano, polaco e mandarim. Saiu já a versão em espanhol, “El Portugués que descubrió América”, com tradução de Carlos Calado. Francisco Gomes

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Arrancaram obras na linha férrea entre Caldas e Torres

A Infraestruturas de Portugal deu início nesta terça-feira à empreitada de modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha, após a assinatura do auto de consignação ter tido lugar na estação ferroviária de Caldas da Rainha, com a presença do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

ferrovia

Patos desapareceram em A-dos-Francos

A Junta de Freguesia de A-dos-Francos colocou cinco patos no Rio Arnóia na passada segunda-feira, com o objetivo de ter “um local mais aprazível e bonito, que permita disfrutar da presença destes animais”, mas foi surpreendida no dia seguinte porque três desapareceram.

patos

OesteCim pretende aumentar a oferta formativa da região

A OesteCim - Comunidade Intermunicipal do Oeste, em parceria com a Universidade de Coimbra (UC), vai realizar um levantamento das necessidades formativas na região, ao abrigo do protocolo de colaboração assinado na passada quinta-feira, tendo como objetivo “a definição de novos cursos adaptados às necessidades dos territórios” e aumentar as competências de jovens e adultos.

protocolo1