Login  Recuperar
Password
  10 de Dezembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas da Rainha, Ocorrências
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Incêndio mata idosa

14-03-2012 |

Incêndio mata idosa
Incêndio mata idosa
Um incêndio que terá começado num curto-circuito num frigorífico vitimou na madrugada de 28 de fevereiro uma idosa de 82 anos, que foi encontrada carbonizada no chão da cozinha da sua casa, nas Caldas da Rainha. Amélia Marques vivia sozinha nas águas furtadas de uma vivenda na Rua Engenheiro Manuel da Maia, no Bairro dos Arneiros. O morador no rés do chão, Jorge Santos, neto do dono do edifício, foi quem se apercebeu das chamas devido à queda do telhado, tendo os bombeiros recebido o alerta às 5h21 e comparecido com doze elementos, apoiados por cinco viaturas. Teve de ser arrombada a porta de entrada, com acesso através de escadaria exterior. “Vivi um verdadeiro inferno de Dante, foi tudo muito rápido e só tive tempo de acordar a esposa e sair de casa”, relatou ao JORNAL DAS CALDAS. O comandante dos bombeiros, José António, revelou que “as indicações que temos é que supostamente terá começado num curto-circuito num frigorífico, pegou no forro da casa, inflamou e propagou rapidamente. A senhora, que tinha dificuldade de locomoção, estava caída de bruços no chão da cozinha completamente carbonizada”. O corpo foi removido para autópsia em Torres Vedras e a Polícia Judiciária está a investigar as causas do incêndio. A cobertura da vivenda foi reposta para evitar que o casal que vive no rés do chão ficasse desalojado. Amélia Marques vivia ali há mais de trinta anos. Enviuvou há cerca de dois anos. Saía pouco à rua, tinha problemas na anca, vizinhas e familiares ajudavam, e não estava isolada. Francisco Gomes
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar